sábado, 13 de julho de 2013

O Sal

ATUALIZAÇÃO

Não achei que fosse ver isso!! O CDC, o Centro para Controle de Doenças dos EUA, admitiu EXATAMENTE o que escrevi na postagem abaixo. Quando farão o mesmo com relação à gordura na dieta e ao colesterol?

http://www.medicaldaily.com/articles/17366/20130712/cdc-guidelines-salt-intake-salt-consumption.htm
TRADUZINDO:

CDC: As diretrizes sobre sal estavam erradas; não há maiores benefícios em reduzir o sal na dietaDe acordo com as novas diretrizes do CDC, é uma perda de tempo e até mesmo perigoso, reduzir demais o seu consumo de sal.

*********** Postagem Original: 19/05/2013 *************
O motivo da inclusão deste assunto - o consumo de sal / sódio - no blog é para fazer você, leitor, pensar. Poucas coisas parecem ser tão certas na vida quanto a morte, o imposto de renda e o mal que o sal lhe faz. No entanto, quantas coisas sobre as quais você tinha certeza já foram desmistificadas nestas páginas? Pense na pirâmide alimentar, na gordura da dieta, etc...

Ao ler as reportagens abaixo, espero que você perceba que existe um padrão:

1) No início do século XX, alguém formula uma teoria;
2) Em meados do século XX, tal teoria passa a ser pesquisada usando modelos animais inadequados e as toscas ferramentas da epidemiologia da época;
3) Faz-se uma tremenda confusão de causa e efeito com base em toscas correlações entre umas poucas variáveis em diferentes países;
4) Na década de 1970, constroem-se diretrizes com base nas especulações e extrapolações acima;
5) Nas décadas seguintes, finalmente são feitos os estudos que deveriam ter sido feitos ANTES da implementação das diretrizes;
6) Os estudos CONTRADIZEM as diretrizes
7) Carreiras e reputações já foram construídas com base nas diretrizes, de modo que as diretrizes não mudam a despeito das evidências contrárias;
8) Graças a anos de "campanhas educativas", as diretrizes viram senso comum, e passam a fazer parte do conhecimento líquido e certo de qualquer pessoa, leiga ou médico;
9) Adentra-se o século XXI, e as evidências contraditórias se avolumam, mas em função do senso comum, permanecem represadas;
10) Quem ousar questioná-las parece louco ou charlatão.


Science News

Já é hora de acabar com a guerra contra o sal
08 de Julho de 2011

O zelo excessivo dos governos em limitar nosso consumo de sal tem pouca base em ciência


Por Melinda Wenner Moyersalt

Durante décadas, o governo vem tentando - e falhando - em fazer com que os americanos comam menos sal. Em abril de 2010, o Instituto de Medicina exortou o FDA a regular a quantidade de sal que os fabricantes de alimentos colocam em seus produtos; o prefeito de Nova Iorque, Michael Bloomberg, já convenceu 16 companhias a fazê-lo voluntariamente. Mas, e se os EUA realmente conseguirem reduzir o sal, o que ganharemos? Batatas fritas sem gosto, com certeza. Mas também uma nação mais saudável? Não necessariamente.


Esta semana, uma metanálise de sete estudos envolvendo um total de 6250 pessoas publicada no American Journal of Hypertension não encontrou nenhuma evidência forte de que cortar o sal reduza o risco de ataques cardíacos, derrames ou morte em pessoas com pressão normal ou alta. Em maio, pesquisadores europeus, no Journal of the American Medical Association (JAMA), relataram que quanto MENOS sódio as pessoas excretavam na sua urina (uma excelente medida de seu consumo de sal) - MAIOR era o seu risco de morrer do coração. Tais achados questionam a sabedoria convencional de que sal em excesso faz mal para você. Mas a verdade é que as evidências ligando o sal à doença cardíaca SEMPRE foram tênues.


O medo do sal surgiu há mais de um século. Em 1904 médicos franceses relataram que 6 de seus pacientes hipertensos - um risco conhecido para doença cardíaca - gostavam de sal. O receio aumentou muito na década de 1970, quando Lewis Dahl do Laboratório Nacional de Brookhaven alegou possuir “evidências científicas inequívocas” de que o sal causava hipertensão: ele induziu pressão alta em ratos alimentando-os com o que equivaleria a MEIO QUILO de sódio por dia para um humano (hoje, um americano médio consome cerca de 3,4g de sódio, ou 8,5g de sal, por dia).


Dahl também descobriu tendências populacionais que continuam a ser citadas como se fossem fortes fortes evidências da relação entre o consumo de sal e pressão alta. Pessoas vivendo em países com alto consumo de sal - como o Japão - também tendiam a ter pressão alta e derrames. Mas, como um artigo indicou anos depois no American Journal of Hypertension, os cientistas não tiveram muita sorte ao procurar tais associações quando comparavam o consumo de sódio entre pessoas dentro de uma mesma população, o que sugeria que a genética ou outros fatores culturais/ambientais pudessem ser os culpados. Ainda assim, em 1977 o Senado dos EUA, através do Comitê de Nutrição e Necessidades Humanas, produziu um relatório recomendando que os americanos cortassem seu consumo de sal entre 50 e 85%, baseado principalmente no trabalho do Dr. Dahl.


As ferramentas científicas foram muito aperfeiçoadas desde então, mas a correlação entre consumo de sal e má saúde permaneceu tênue. Intersalt, um grande estudo publicado em 1988, comparou o consumo de sal com a pressão arterial em pessoas de 52 centros de pesquisa pelo mundo e não achou nenhuma correlação entre consumo de sal e prevalência de hipertensão. Ao contrário, as populações que comiam MAIS sal, cerca de 14g por dia, tinham pressão arterial MAIS BAIXA, em média, do que os que comiam menos sal - cerca de 7,2g por dia. Em 2004, a Colaboração Cochrane, uma organização internacional de pesquisa em saúde, independente e sem fins lucrativos, que recebe parte dos seus fundos do Departamento Americano de Saúde, publicou uma revisão de 11 ensaios clínicos de redução de sal na dieta. No longo prazo, dietas de redução de sal, quando comparadas a dietas com sal normal, diminuíram a pressão arterial sistólica (o número mais alto da medida) em pessoas saudáveis em 1,1 milímetros de mercúrio (mmHg) e a pressão diastólica (o número mais baixo) em 0,6 mmHg. Isso equivale a mudar de 120/80 para 119/79. A revisão concluiu que “intervenções intensivas de redução do sal, além de pouco práticas no contexto da atenção primária à saúde, produzem reduções mínimas na pressão arterial em estudos de longo prazo”. Uma outra revisão da Cochrane de 2003, com 57 estudos de duração mais curta, também concluiu que “há pouca evidência de benefício a longo prazo na redução do consumo de sal”.


Estudos que exploraram a relação direta entre sal e doença cardíaca também não tiveram um desempenho muito melhor. Entre eles, um estudo do JAMA de 2006 comparou o consumo referido por 78 milhões de americanos com seu risco de morrer de doenças cardiovasculares em um período de 14 anos. O resultado foi que quanto MAIS sódio as pessoas consumiam, MENOR era o seu risco de morrer do coração. E um estudo de 2007 publicado no European Journal of Epidemiology seguiu 1500 pessoas idosas por 5 anos e não encontrou nenhuma relação entre os níveis de sódio excretados na urina e o risco de doença vascular coronariana e morte. Para cada estudo que sugere que o sal possa não ser saudável, há outro estudo que sugere o contrário.


Parte do problema é que os indivíduos variam em como seus organismos respondem ao sal. “É muto difícil destrinchar estas associações”, admite Lawrence Appel, um epidemiologista da Johns Hopkins University e chefe do comitê sobre o sal das Diretrizes Americanas sobre Dieta de 2010. Um estudo de 1987, frequentemente citado, publicado no Journal of Chronic Diseases, relata que o número de pessoas que apresenta QUEDA de pressão após comer MAIS sal é quase igual ao número que apresenta picos de pressão alta. E muitas pessoas permanecem com sua pressão inalterada. Isto porque “o rim humano é feito para regular a excreção de sal de acordo com o quanto se ingere”, explica Michael Alderman, um epidemiologista da Faculdade de Medicina Albert Einstein e ex-presidente da Sociedade Internacional de Hipertensão.


Alguns médicos argumentam que embora uma minúscula queda na pressão não tivesse nenhum efeito para o indivíduo - ela não afetaria seu risco de ter um ataque cardíaco - ela poderia acabar salvando vidas em nível populacional, em parte porque uma pequena proporção das pessoas, incluindo alguns afro-americanos e alguns idosos, são hipersensíveis ao sal. Por exemplo, um estudo publicado no New England Journal of Medicine estima que cortar o consumo de sal em 35% poderia salvar 44.000 americanos por ano. Mais tais estimativas também não são evidências; elas são conjecturas. E dietas pobres em sal poderia ter efeitos colaterais: quando o sal é cortado, o corpo responde liberando renina e aldosterona - uma enzima e um hormônio, respectivamente - que elevam a pressão.


Ao invés de criar políticas drásticas sobre o sal baseadas em dados contraditórios, Alderman e seu colega Hill Cohen propõem que o governo patrocine um grande ensaio clínico controlado para ver o que acontece ao longo de tempo com as pessoas que seguem uma dieta de pouco sal. Appel responde que tal estudo “não pode e não será feito”, em parte por seu alto custo. Mas a não ser que tenhamos dados claros, campanhas evangélicas anti-sal não são apenas baseadas em ciência frágil - elas são, em última análise, injustas. “Um grande número de promessas estão sendo feitas ao público em relação a um enorme benefício e vidas salvas”, diz Cohen. Mas é tudo baseado em “extrapolações altamente especulativas”

*************

Ok, há 5 dias atrás foi a vez no New York Times publicar excelente artigo sobre um NOVO comitê nos EUA que descobriu, com atraso de alguns anos, que não há porque tentar reduzir o sódio na dieta. De quantos estudos ainda precisaremos para mudar a cabeça das pessoas? A resposta é NÃO ADIANTA: não há quantidade de evidências capaz de desafiar a FÉ de alguém. E a maioria das pessoas - médicos inclusive - guia-se não pelas evidências, mas pela crença. Crença na imprensa no caso do público leigo, crença nas diretrizes de painéis de especialistas, no caso de médicos, que não se dão conta de que os especialistas que compõem tais painéis são, em geral, profissionais topo de suas carreiras, com cerca de 30 a 40 anos de profissão, e altamente influenciados pelos preconceitos científicos de 40 anos atrás e pela forma com que praticaram a medicina nestes 40 anos (além, é óbvio, pelas indústrias que os patrocinam).

Não vou traduzir todo o artigo abaixo; apenas alguns pontos-chave:

  • Um novo comitê com prestigiados cientistas concluiu que não há motivo para reduzir o sódio aos níveis recomendados pelas diretrizes vigentes;
  • A associação americana de cardiologia (obviamente) não mudou de opinião (isto requer praticar medicina baseada em evidências, e não na fé);
  • Quando se consome menos de 2300 mg de sódio ao dia, a mortalidade aumenta;
  • Mesmo em pacientes com insuficiência cardíaca, a restrição severa de sódio aumenta em 3x as internações e em 2x as mortes;
  • Em pacientes hipertensos, consumir menos de 3g de sódio ao dia AUMENTA o risco de ataques cardíacos, derrames, insuficiência cardíaca congestiva e morte por causas cardiovasculares (mais de 7 gramas/dia também aumenta o risco - mas isso equivale a 17 gramas de sal!);
  • Consumir pouco sal aumenta a resistência à insulina e os triglicerídeos;

The New York Times


May 14, 2013

No Benefit Seen in Sharp Limits on Salt in Diet



In a report that undercuts years of public health warnings, a prestigious group convened by the government says there is no good reason based on health outcomes for many Americans to drive their sodium consumption down to the very low levels recommended in national dietary guidelines.
Those levels, 1,500 milligrams of sodium a day, or a little more than half a teaspoon of salt, were supposed to prevent heart attacks and strokes in people at risk, including anyone older than 50, blacks and people with high blood pressure, diabetes or chronic kidney disease — groups that make up more than half of the American population.
Some influential organizations, including the American Heart Association, have said that everyone, not just those at risk, should aim for that very low sodium level. The heart association reaffirmed that position in an interview with its spokesman on Monday, even in light of the new report.
But the new expert committee, commissioned by the Institute of Medicine at the behest of the Centers for Disease Control and Prevention, said there was no rationale for anyone to aim for sodium levels below 2,300 milligrams a day. The group examined new evidence that had emerged since the last such report was issued, in 2005.
“As you go below the 2,300 mark, there is an absence of data in terms of benefit and there begin to be suggestions in subgroup populations about potential harms,” said Dr. Brian L. Strom, chairman of the committee and a professor of public health at the University of Pennsylvania. He explained that the possible harms included increased rates of heart attacks and an increased risk of death.
The committee was not asked to specify an optimal amount of sodium and did not make any recommendations about how much people should consume. Dr. Strom said people should not eat too much salt, but he also said that the data on the health effects of sodium were too inconsistent for the committee to say what the upper limit of sodium consumption should be.
Until about 2006, almost all studies on salt and health outcomes relied on the well-known fact that blood pressure can drop slightly when people eat less salt. From that, and from other studies linking blood pressure to risks of heart attacks and strokes, researchers created models showing how many lives could be saved if people ate less salt.
The United States dietary guidelines, based on the 2005 Institute of Medicine report, recommend that the general population aim for sodium levels of 1,500 to 2,300 milligrams a day because those levels will not raise blood pressure. The average sodium consumption in the United States, and around the world, is about 3,400 milligrams a day, according to the Institute of Medicine — an amount that has not changed in decades.
But more recently, researchers began looking at the actual consequences of various levels of salt consumption, as found in rates of heart attacks, strokes and death, not just blood pressure readings. Some of what they found was troubling.
One 2008 study the committee examined, for example, randomly assigned 232 Italian patients with aggressively treated moderate to severe congestive heart failure to consume either 2,760 or 1,840 milligrams of sodium a day, but otherwise to consume the same diet. Those consuming the lower level of sodium had more than three times the number of hospital readmissions — 30 as compared with 9 in the higher-salt group — and more than twice as many deaths — 15 as compared with 6 in the higher-salt group.
Another study, published in 2011, followed 28,800 subjects with high blood pressure ages 55 and older for 4.7 years and analyzed their sodium consumption by urinalysis. The researchers reported that the risks of heart attacks, strokes, congestive heart failure and death from heart disease increased significantly for those consuming more than 7,000 milligrams of sodium a day and for those consuming fewer than 3,000 milligrams of sodium a day.
There are physiological consequences of consuming little sodium, said Dr. Michael H. Alderman, a dietary sodium expert at Albert Einstein College of Medicine who was not a member of the committee. As sodium levels plunge, triglyceride levels increase, insulin resistance increases, and the activity of the sympathetic nervous system increases. Each of these factors can increase the risk of heart disease.
“Those are all bad things,” Dr. Alderman said. “A health effect can’t be predicted by looking at one physiological consequence. There has to be a net effect.”
Medical and public health experts responded to the new assessment of the evidence with elation or concern, depending on where they stand in the salt debates.
“What they have done is earth-shattering,” Dr. Alderman said. “They have changed the paradigm of this issue. Until now it was all about blood pressure. Now they say it is more complicated.” The report, he predicted, “will have a big impact.”
But Bonnie Liebman, director of nutrition at the Center for Science in the Public Interest, an advocacy group that has taken a strong position against excessive salt consumption, worried that the public would get the wrong message.
“It would be a shame if this report convinced people that salt doesn’t matter,” Ms. Liebman said.
The American Heart Association agrees with her. Dr. Elliott Antman, a spokesman for the association and a professor of medicine at Brigham and Women’s Hospital in Boston, said the association remained concerned about the large amount of sodium in processed foods, which makes it almost impossible for most Americans to cut back. People should aim for 1,500 milligrams of sodium a day, he said.
“The American Heart Association is not changing its position,” Dr. Antman said. The association rejects the Institute of Medicine’s conclusions because the studies on which they were based had methodological flaws, he said. The heart association’s advice to consume 1,500 milligrams of sodium a day, he added, is based on epidemiological data and studies that assessed the effects of sodium consumption on blood pressure.
The Institute of Medicine committee said it was well aware of flaws in many of the studies of sodium, especially ones that the previous Institute of Medicine committee relied on for its 2005 recommendations. Much of that earlier research, committee members said, looked for correlations between what people ate and their health. But people with different diets can differ in many ways that are hard to account for — for example, the amount of exercise they get. And relying on people’s recall of how much salt they consumed can be unreliable.
Even the ways previous studies defined high and low sodium consumption varied widely.
“In one study, it was high if it hit 2,700 milligrams a day. In another study, it was high if it hit 10,000 milligrams a day,” said Cheryl A. M. Anderson, a committee member who is an associate professor of family and preventive medicine at the University of California, San Diego.
The committee said it found more recent studies, published since 2005, that were more careful and rigorous. Much of the new research found adverse effects on the lower end of the sodium scale and none showed a benefit from consuming very little salt.
Although the advice to restrict sodium to 1,500 milligrams a day has been enshrined in dietary guidelines, it never came from research on health outcomes, Dr. Strom said. Instead, it is the lowest sodium consumption can go if a person eats enough food to get sufficient calories and nutrients to live on. As for the 2,300-milligram level, that was the highest sodium levels could go before blood pressure began inching up.
In its 2005 report, the Institute of Medicine’s committee said that sodium consumption between 1,500 and 2,300 milligrams a day would not raise blood pressure.
That range, Dr. Strom said, “was taken by other groups and set in stone.” Those other groups included the Department of Agriculture and the Department of Health and Human Services, which formulated dietary guidelines in 2005.
But those dietary guidelines will soon be revised, with new recommendations to be issued in 2015.

MORE IN HEALTH (1 OF 35 ARTICLES)

The Health Toll of Immigration



125 comentários:

  1. Acho que tenho mais medo do imposto de renda! kkkk

    ResponderExcluir
  2. kpenido@hotmail.com19 de maio de 2013 23:32

    Nussss, to xocada!

    ResponderExcluir
  3. Doutor, vc poderia me explicar a possibilidade de se ter hipoglicemia, mesmo estando em cetose? Há 3 dias tive uma crise hipoglicemica, creio. Ao me levantar da cama, comecei a me sentir fraco, tonto, um mal estar horrível, braços e pernas pesados. Mal tive força pra gritar por ajuda. A sensação é de que a morte tah batendo a sua porta. Pedi um pouco de leite com chocolate e açúcar, não tive muita escolha. Com pouquíssimo tempo depois da ingestão do leite, a energia começou a voltar ao meu corpo. Estou assustado agora. Fico com medo do jejum. Não quero passar por aquilo novamente. Há também alguns detalhes: eu estava com uma sinusite forte, febre, dor de cabeça, sem tomar medicação, quase de jejum por mais de 24 horas, por umas 30 horas comi quase nada. N sentia muita fome, me sentia enjoado pra comer qualquer coisa q fosse. Há ainda o fato de q já sou magro com uma musculatura mediana. 1,7 metro. 69 quilos. Como é possível q isso ocorra? E eu estou em cetose sem sombra de dúvida, não como mais q 30g de carbs por dia. Na verdade, dificilmente chego perto desse limite. Minha insulina deu 2,02 em um exame recente. Esqueci a unidade da concentração, mas o valor de referência mínimo era 2,7 na mesma unidade. Nano ulgumacoisa por decilitro.

    ResponderExcluir
  4. Lamento ter q incomodar com quase uma consulta online, mas aqui não há médicos q tenham conhecimento suficiente sobre alimentação. Não estou disposto a ouvir comentários estúpidos como: vc precisa comer açúcar. Há muito tempo ja não como carboidrato, nunca tive problema. Fui muitas vezes a academia em jejum sem prejuízo algum em força e disposição.

    ResponderExcluir
  5. Kety Torres Bueno20 de maio de 2013 08:22

    Ótima postagem Dr. Souto, eu particularmente nunca havia lido algo tão esclarecedor.
    Agora uma dúvida, tem o sal alguma relação com retenção hídrica?

    ResponderExcluir
  6. Sim, mas não para quem faz low carb, pois a insulina baixa aumenta a excreção de sódio e de líquido.

    2013/5/20, Disqus :

    ResponderExcluir
  7. Olá Dr. Souto, qual a tua opinião a respeito do Iodo no sal? O blog do Dr. Victor Sorrentino tem um ótimo post sobre isso. Jáouviu falar do Sal Rosa do Himalaia?É o que ele recomenda, por conter muitos minerais, etc... tem opinião formada sobre? Abraço!

    ResponderExcluir
  8. Eu uso esse (o rosa). Mas é caro para recomendar aqui, difícil de achar fora das grandes capitais, e é uma coisa periférica, ou seja, preciso ainda convencer as pessoas a largar o pão e os doces - sal é detalhe. O objetivo desta postagem é estimular o pensamento crítico no que diz respeito às diretrizes.


    2013/5/20 Disqus

    ResponderExcluir
  9. Laís Rumiantceva20 de maio de 2013 15:04

    Dr. Souto,

    Não sei se esse é o local mais adequado, mas estou com algumas dúvidas e gostaria de saná-las com o sr., já que este é o blog que mais me inspira confiança.

    Adotei o estilo lowcarb (3 semanas) e estou adorando.

    Era super viciada em doces e esse vício desapareceu!

    Todavia, não estou tendo muita diferença na balança. A média semanal abaixa cerca de 0.2kg, sendo que no final de semana, costumo sair do low carb por 36 horas (metade do sabado até domingo) e nessa brincadeira aumento consideráveis 2 kg.

    O que acho que pode influenciar isso:
    1) Tenho hipotireoidispo e ovário policistico. Parei de tomar os remédios ha cerca de 1 mes. Não sinto os sintomas do hipotireoidismo.
    2) Minha vida corrida me permite apenas 6 horas de sono. Já vi que isso é péssimo. Estou me esforçando para dormir 8 horas ha uns 5 dias.
    3) Esses cheat day(s) de 36 horas
    4) consumo de alimentos como chocolate >70% (2 quadrados), iogurte grego, banana (todos eventualmente)

    Acho que não estou esquecendo de nada. Será que estou fazendo algo errado?
    Obrigada,
    Laís.

    ResponderExcluir
  10. Ismael: na maioria das vezes, as pessoas acham que estão com hipoglicemia quando na verdade a causa é outra - há um estudo no qual pacientes (não diabéticos) que alegavam ter hipoglicemias frequentes foram monitorados 24h por dia e NUNCA apresentaram hipoglicemia. Mesmo quando desmaiavam, estas pessoas não tinham hipoglicemia - em geral era um quadro vaso-vagal ou de hipotensão postural. Se eu tivesse que apostar, apostaria na segunda opção para o seu caso: pressão baixa ao levantar devido à perda de água e sal das primeiras semanas de uma dieta low carb. Experimente comer mais sal e beber bastante líquido - aposto que o problema se resolve. E, não custa lembrar, se vc se sentir mal em cetose, saia da cetose - coma umas frutas de vez em quando. Vc é altamente sensível à insulina, não está precisando perder peso, pq fazer dieta cetogênica? Faça páleo.

    ResponderExcluir
  11. Primeiramente quero agradecer a vc Dr. Souto,q mudou minha vida.Enfim,é muito cedo pra vc praticar essa dieta das 36 horas.limite sua ingestao de carbo ate 30 g todos os dias por uns 30 dias.Tenta fazer jejum intermitente uma vez por semana.Eu perdi 10 kilos em um mes fazendo isso.Bem Lais é isso.NAo sou Dr. porem amo ciencia.Apenas estou dizendo o q fiz em mim.Boa sorte!

    ResponderExcluir
  12. Concordo!! O rosa é difícil, acho só pela internet e no zaffari (em Poa). Derrubar diretrizes é missão difícil! :)

    ResponderExcluir
  13. Carlinhos Gonçalves21 de maio de 2013 11:18

    Olá Pessoal!
    Outra informação sobre o sal e lowcarb...segundo J. Volek em seu livro The Art and Science of Low Carbohydrate Performance...pessoas que consumam cerca de 50g CHO/dia...devem usar 2 gramas de sal por dia como suplementação...ABS...

    ResponderExcluir
  14. Oi Patrícia, depois de perder 6 kg, estacionei e um graminha a mais me atormenta, gostaria da sua opinião sobre a questão de ter um dia do lixo...Estou tendo esses dias e acho que estão atrapalhando a perda, claro que não é um dia todo de guloseimas, procuro tirar refri e fico nos doces e bolos. Mas, sei que qnt menos esse dias acontecerem melhor, mas de quanto em quanto tempo se é possível sair da rotina e não atrapalhá-la? E quando se chega no peso ideal, sair um dia da semana mantém o peso? Tudo de bom?

    ResponderExcluir
  15. Olá Dr.Souto,

    Conheci seu blog através do emagrecer de vez e estou adorando os dois.....
    Estou lendo bastante para implantar este novo estilo de se alimentar.
    Tenho uma filha de 11 anos que sempre teve problemas com a balança, gostaria de mudar sua alimentação para low carb, mas não sei se posso pela idade dela e mais um agravante que ela não come nada de legumes e verduras. O que eu poderia fazer?
    Obrigada!

    ResponderExcluir
  16. Olá Laís.

    Se quer emagrecer mais, tem que entender qual o seu limite de carbs. E isso é experimentando, não tem jeito. Mas, como disse o Vincius, Jejum tbm ajuda bastante. http://lowcarb-paleo.blogspot.com.br/2013/02/jejum-intermitente.html

    Mas tbm pode experimentar diminuir as horas do cheat day. Banana tbm tem bastante carbs. dá uma olhada nisso http://lowcarb-paleo.blogspot.com.br/2012/01/quais-frutas-comer-e-em-que-quantidade.html



    O chocolate amargo não vejo problema.

    ResponderExcluir
  17. Dr. Souto, o que dizer do soro caseiro: água + sal + açúcar? água e sal é o verdadeiro soro caseiro não é?

    ResponderExcluir
  18. O açúcar, nesta fórmula, é para ajudar na absorção do sódio (e portanto da água) pelo intestino em caso de desidratação aguda. É para salvar a vida de crianças com diarreia aguda - é remédio, não é pra tomar no dia-a-dia :-)

    2013/5/21 Disqus

    ResponderExcluir
  19. Entendi. E a água com açúcar para acalmar os nervos?

    ResponderExcluir
  20. Natalie Semanovschi21 de maio de 2013 17:31

    Somente uma duvida: se a dieta deve ser o mais natural possivel e os alimentos já são repletos de sais, ainda assim é preciso adicionar sal aos alimentos?

    ResponderExcluir
  21. Mônica Mesquita21 de maio de 2013 19:03

    Dr., fui ao médico endocrinologista hoje, mostrar meus exames e falar pra ele da minha conquista e alegria de perder 6 kg. Assim relatei toda a dieta paleolítica, do seu blog, ele não deu muita moral, disse que um dos problemas dessas dietas é que elas poderiam não ser sustentáveis por mim e aí a qualquer momento eu poderia voltar ao peso inicial. Bem, eu o perguntei: mas como não me sentir saciada, comendo só coisas saudáveis e saciáveis? Comentei que ao tirar os carboidratos refinados principalmente, não sentia aquela fome arrebatadora, as gorduras, as castanhas...E aí ele completou, "mas vc não poderá ficar muito tempo sem carboidratos", então eu disse: mas nos legumes e verduras não temos carboidratos? Ele disse que sim ,mas que não era a principal função desses alimentos. Quando ele olhou os exames, disse que estavam ótimos, baixou triglicerídeos subiu HDL, mas comentou que o meu colesterol subiu um pouco e que eu tomasse cuidado com as gorduras. Depois falei que sentia que havia estacionado o peso, e ele me indicou três remédios, sibutramina que me deu logo uma dor na cabeça só de pensar, pois já tinha tomado uns dois anos e perdi 5kg e encontrei em meses, depois um tal de xenical, e por último um tomado por diabéticos que seria injetável, me deu logo pânico...Acho que ele notou minha cara de "não acredito" e pra finalizar fechou: "é vamos continuar como estamos pois vc está indo bem, quero te ver daqui a 2 meses e qualquer coisa sobre os remédios estou aqui". Saí frustada! Mas com a certeza de que estou no caminho certo, mas tão bom seria ter um profissional pra compartilhar, nos fortificar, ainda bem dr. que temos o senhor. Obrigada! Tudo de bom!

    ResponderExcluir
  22. Laís Rumiantceva21 de maio de 2013 19:49

    Esses medicos sao doidos. Fiquei com hipotireoidismo por causa de um desses que so sabe passar remedios. Imaagina... eu tinha so 15 anos e me desceram plenty e sibutramina... torcendo p dar td certo. Abs!

    ResponderExcluir
  23. Gostaria de saber se é possível a cetose aumentar o pressão arterial.
    Meu marido omeçou a dieta a cerca de 1 mês e, além de não perdido peso, seu acido úrico e uréia estão em níveis elevados e a pressão arterial fica constantemente em 16/11. Já diminuimos o consumo de queijos por causa do sal, ele está evitando a carne vermelha para tentar regular o acido urico, mas nada mudou. É prudente parar coma dieta ou isso pode ser um processo de adaptação?

    ResponderExcluir
  24. Se você não tivesse falado nada sobre a dieta, ele teria ficado entusiasmado com seus resultados

    ResponderExcluir
  25. Bah, acalme os nervos com outra coisa! Sei lá, sexo por exemplo :-) Desculpa a brincadeira :-) Meditação pode ser uma boa.

    ResponderExcluir
  26. Páleo sem restrição de frutas, mas com restrição de farinha e açúcar seria minha sugestão - e ver se ela quer participar, acompanhando seus resultados, fazendo um gráfico, etc - pode ser estimulante.

    ResponderExcluir
  27. Desejamos o sal pois ele é importante. Não precisa "se entupir" de sal, mas também não precisa restringir conscientemente seu consumo. Simplesmente não há evidências científicas neste sentido.

    ResponderExcluir
  28. Isso é bizarro. Uma dieta páleo não é sustentável no longo prazo, mas sibutramina é sustentável? E Xenical é sustentável? Pelo amor de deus...
    Você deu uma aula a este médico, pena que talvez ele não tenha percebido!

    ResponderExcluir
  29. Que horror. São doidos mesmo.

    ResponderExcluir
  30. Isso é estranho e pode haver algo a mais por detrás disso. Não, cetose não aumenta a pressão. Pelo contrário, low carb produz um efeito diurético com perda de sal na urina e QUEDA de pressão. Algo está errado, acho que seu marido deverá prosseguir apenas com acompanhamento médico - algum dos profissionais listados aqui trabalha onde vc mora? http://lowcarb-paleo.blogspot.com.br/2013/04/lista-de-profissionais-de-saude-paleo.html

    ResponderExcluir
  31. E lembre-se: até 20% dos hipertensos pioram a pressão com muito sal. Apenas não há motivo para os demais 80% restringirem o sal, e não há vantagem para ninguém em cortar completamente o sal. As respostas ao sal são variáveis.

    ResponderExcluir
  32. Estamos no interior de Minas, ele está fazendo a dieta com acompanhamento de uma médica especializada em emagrecimento, que vem em minha cidade uma vez por semana. Ela tb não entende pq o organismo dele está reagindo dessa forma, pediu pra q ele procurasse o cardiologista, mas tenho certeza que se ele fizer isso, o médico simplesmente vai mandá-lo abandonar imediatamente. E meu marido não querparar, pois tem se sentido melhor. Penso q pode ter relação com os medicamentos de uso contínuo: ele toma meia losartana 50mg e 1 capsula de amilorida c/ furosemida todos os dias pela manhã. Não gostaria q ele parasse, pois não acreditoq voltar a comer açúcar e farinha irá acrescentar algo de positivo a saúde dele.

    ResponderExcluir
  33. Doutor, excelente artigo, muito esclarecedor! Obrigada por desmitificar mais uma baboseira do senso comum.
    Queria fazer uma pergunta, tenho tentado fazer paleo/low-carb já faz alguns dias. Mudei toda minha alimentação, mas tenho comido uma fatia de pão integral por dia. Isso é muito ruim? Pode afetar meu emagrecimento?
    Apenas no café da manhã que como 1 fatia de pão integral com queijo prato e presunto, 1 fruta e 1 xícara de café com creme de leite fresco e adoçante. Depois só faço o jantar. Tenho me sentido bem com essa alimentação e até emagreci um pouco (2kg nessa primeira semana), mas me preocupo com essa fatia de pão integral, já que li tudo sobre os malefícios do trigo. O quanto essa quantidade de pão integral (1 fatia/dia) pode afetar meu emagrecimento e minha saúde?

    ResponderExcluir
  34. Uma pergunta simples, pra que comer pão? Coma o queijo enrolado com presunto apenas, sem o pão. Uma coisa que já fiz algumas vezes e que fica bem legal tb é rechear o enrolado com um pouco de manteiga.
    O trigo é horrivel por dois motivos. Primeiro porcausa da alta quantidade de carbs e do alto índice glicemico, e segundo por causa do gluten e outros antinutrientes presentes.

    ResponderExcluir
  35. Marcela, fumar alguns cigarros é melhor do que fumar 2 carteiras. E não fumar é melhor do que fumar pouco.

    Em 21/05/13, Disqus escreveu:

    ResponderExcluir
  36. Laís Rumiantceva22 de maio de 2013 09:53

    Patricia, obrigada! e vc sabe sobre o hipotireoidismo? to com essa duvida cruel: nao quero tomar mais remedios, nem ir a medicos que já me decepcionaram tanto, mas nao sei se parar bruscamente (aliada ao paleo-lowcarb)é o caminho.

    ResponderExcluir
  37. Uma dieta paleo estrita (zero glúten, zero soja, zero feijão/lentilha/amendoin, evitar óleos de sementes) pode reverter o hipotireodismo se o mesmo for causado por tireodite de Hashimoto. Mas a única forma de saber é acompanhar com exames. E o hipotireoidismo persistente e não tratado irá dificultar a perda de peso.


    Em 22 de maio de 2013 09:53, Disqus escreveu:

    ResponderExcluir
  38. kkkkkkkkk (RI MUITO) minha duvida é se resolve mesmo ou é só mito. Tipo quando alguém receber uma noticia que o deixe nervoso, de imediato é complicado indicar sexo ou meditação kkkkkkkkk

    ResponderExcluir
  39. É placebo - aquilo que nossa mãe fazia para nos confortar, tende a nos confortar a vida toda (leite quente com mel, água com açúcar, cafuné...).

    Em 22 de maio de 2013 11:45, Disqus escreveu:

    ResponderExcluir
  40. Certo, dr. Souto, obrigada pela resposta. Hoje já tirei o pão (vou ficar sem por 2 semanas para ver o resultado na balança e na minha saúde - estou com sinusite e, pelo que já li aqui, o trigo pode causar vários problemas de saúde). Apenas mais uma dúvida, não é preciso estar em cetose para emagrecer, isso o senhor já comentou, mas os benefícios da diminuição de carbs em termos hormonais acontece mesmo sem entrar em cetose? (diminuição da insulina e tudo o mais). Desde já agradeço a resposta e a atenção!

    ResponderExcluir
  41. É que eu gosto do pão, rsrsrs. Mas hoje já comi uma omelete com vegetais e presunto.

    ResponderExcluir
  42. Olá Mônica.

    Bem, eu tiraria os dias do lixo pra ver o que acontece. Como sempre é tudo uma questão de experimentar pra ver como seu corpo reage.
    Eu não tenho como te dizer quando vai atrapalhar ou não. PRA MIM não funciona o dia do lixo. E eu realmente não tenho vontade de fazer dia do lixo. Acho que até já comentei contigo que a uns meses atras fui comer uma colherada da granola do meu filho e enjoei! Isso tudo vai ter que experimentar pra ver o resultado no seu corpo.

    Vc lê ingles?

    http://www.marksdailyapple.com/17-reasons-youre-not-losing-weight/

    http://www.marksdailyapple.com/9-more-reasons-youre-not-losing-weight/



    abraços!

    ResponderExcluir
  43. Sim, a cetose não é necessária para se obter os benefícios hormonais. Aliás, os benefícios pode ser obtidos até mesmo com reduções modestas de carboidratos (por exemplo, com a retirada de farináceos e açúcar, mesmo que se mantenha frutas e raízes), dependendo do caso.

    ResponderExcluir
  44. Vou confessar que ri tbm!!!

    chá de camomila? Maracujina? Valeriana talvez?... planejar a noite?... tô tentando ajudar viu Emerson?? hehehe!

    ResponderExcluir
  45. Obrigada, doutor! Sanou todas as minhas dúvidas quanto a isso.

    ResponderExcluir
  46. Carlinhos Gonçalves22 de maio de 2013 14:48

    Mônica..não sei qual sua cidade...mas em das postagens desse mês o Dr. Souto citou uma listas de profissionais da saúde com fundamentos PALEO...veja se não tem um médico na sua cidade...e imagino que você deva trocar de médico...abraços!

    ResponderExcluir
  47. Acabei de lembrar mais uma dúvida, prometo que é a última! Aqui em São Paulo não existe nata para vender, estou usando creme de leite fresco, no rótulo diz ter 35% de gordura. Nos ingredientes diz ter apenas creme de leite pasteurizado. Isso significa que a quantidade de carboidratos é zero ou próxima disso? Eu costumo tomar café com umas 4 colheres de sopa de creme de leite, 2 vezes ao dia (8 colheres de sopa de creme de leite ao dia, portanto). Gostaria de saber a quantidade aproximada de carbs que há nessa quantia.

    ResponderExcluir
  48. Ok muito obrigada!!!!!
    Vamos fazer, depois conto os resultados.

    ResponderExcluir
  49. Olá Marcela.


    Existem marcas 0 carbs. Vc pode optar pelo creme de leite Nestlê de lata, ele é 0 carb e fica muito bom com café. Não sei a marca do que vc está usando. e alguns fabricantes optam por não colocar a quantidade de carbs se são abaixo de 1g, pois no Brasil isto é permitido.


    Mas vamos exagerar e dizer que tem 0,9 g (quase 1 g) por porção (supondo que a porção seja de 1 col de sopa). Serão 7,2 g.

    ResponderExcluir
  50. Estou a caça! Mas por enquanto nada! E com certeza essa dr, já era pra mim! Mas pretendo voltar lá pra ele conferir os resultados e quem sabe procurar aprender! Tudo de bom!

    ResponderExcluir
  51. Eu uso creme de leite fresco, com mais gordura do que o creme de leite em lata da Nestlé. O creme de leite da Nestlé tem 25% de gordura e o creme de leite fresco que uso tem 35%. Isso influencia na contagem de carbs? No rótulo diz que é zero carbs e a composição é apenas creme de leite pasteurizado. Eu "deduzi", depois de tudo que li neste blog, que quanto mais gordura melhor, então, comprei o creme de leite fresco (beeeeeem mais caro que o de lata - R$ 12,50 a garrafinha com 500g contra R$ 2,50 a lata com 300g). Vale a pena essa troca ou não compensa?

    ResponderExcluir
  52. Puxa Renata, eu tinha entendido que não havia descrição da quantidade de carbs nesse creme de leite fresco. Mas agora vc disse que está escrito 0 carbs provavelmente é sim ou a quantidade é muito pouca. Eu sou sempre a favor das gorduras, fique com o 35%. Eu uso nata e creme de leite nestlê. Gosto dos dois.

    ResponderExcluir
  53. Mônica Mesquita25 de maio de 2013 21:12

    Dr., só mais um fato sobre a consulta frustrante, o tal médico falou que o dr. Atkins morreu com mais de 100kg e que portanto a dieta que ele próprio criou não serviu para ele, deixando no ar que assim como esta dieta a paleolítica seria também fadada ao fracasso. Claro que ele fez uma comparação irresponsável e como aprendi com vcs sei que a paleolítica não é uma dieta da moda, nem tão radical. Mas uma curiosidade, como foi de fato o motivo do dr. Atkins? Tudo de bom!

    ResponderExcluir
  54. Escorregou no gelo do inverno na rua em Nova Iorque, com mais de 70 anos de idade, bateu com a cabeça no meio-fio, e morreu de traumatismo craniano. Seu médico está tão bem informado sobre medicina quanto sobre a história. Em 25/05/2013 21:12, "Disqus" escreveu:

    ResponderExcluir
  55. Entendi!! hehehe

    ResponderExcluir
  56. Obrigado Patrícia!!

    ResponderExcluir
  57. Dr Souto, tenho hipotireoidismo desde 2005. Gostaria de saber se com a tireoide controlada e tomando levotiroxina todos os dias eu consigo perder peso mais rápido? Estou na dieta paléo a uma semana. Ainda não perdi peso.Obrigada.

    ResponderExcluir
  58. Desculpe a intromissão Dr. Souto. Sugiro uma postagem sobre hipotireodismo e dieta paleo. A quantidade de pessoas com esse problema é enorme. E a luta contra a balança também. Com certeza é um tema de interesse geral. Abç. Alexandre

    ResponderExcluir
  59. Ok!
    Em 09/06/2013 10:04, "Disqus" escreveu:

    ResponderExcluir
  60. Boa tarde, Dr. Souto.

    Segue os questionamentos de um amigo:
    "Comecei a dieta LCHF há 15 dias, no geral me sinto bem. No entanto, tenho sentido uma sensação desagradável, que ocorre sem motivo aparente mas são eventos rápidos, logo passa. É como se fosse uma queda de pressão, mas não é... é como se fosse uma descarga de adrenalina, os batimentos se aceleram, mas não sinto os outros sintomas da adrenalina... li em algum lugar do blog que poderíamos sentir alguns sintomas desagradáveis... e achei que isso também poderia estar ocorrendo pela perda do sódio, mas acredito estar consumindo uma quantidade boa de sal nas refeições."
    Estes sintomas podem ser apenas do início da dieta e da cetose?

    ResponderExcluir
  61. Aglair, sua descrição lembra um pouco uma arritmia cardíaca. Não posso diagnosticar nem tratar nada via internet, e seria interessante que sua amiga procurasse um médico. Como dica geral, que se aplica a muitas pessoas em início de low carb, óxido de magnésio 200mg 2 comprimidos à noite pode ajudar com cãibras e palpitações.


    Em 9 de junho de 2013 23:06, Disqus escreveu:

    ResponderExcluir
  62. Doutor, e quanto à retenção de água que dizem que o consumo de sal causa? Isso é verdade? Quanto seria este "consumo excessivo" que nos faria reter água no organismo?

    ResponderExcluir
  63. Desculpe, agora que li todos os comentários e vi que vc respondeu sobre isso que o sal para quem faz low carb não causa retenção hídrica, pois a insulina baixa aumenta a excreção de sódio e de líquido... Poderia falar mais sobre isso? E sobre comidas salgadas, como bacon, presunto, alguns queijos, carne seca? São boas/ruins para a saúde?

    ResponderExcluir
  64. Bem, Marcela, que mais posso dizer...? Os estudos não mostram vantagem em reduzir o sal, e low carb ajuda a eliminar sal e água... A não ser que vc seja hipertensa e tenha experimentado em vc mesma e visto o que o sal aumenta a SUA pressão, não vejo nenhum motivo para restringir o sal. Deixe seu paladar decidir.

    ResponderExcluir
  65. Os fatos: o colesterol está melhor, a pressão está melhor, a glicemia está melhor, o estômago e a digestão estão melhores, a pele, o cabelo, as unhas, a disposição...tudo melhorou.

    Conclusão do médico: você está ficando obviamente doente!
    ¬¬

    ResponderExcluir
  66. Teresa Cavalcanti14 de julho de 2013 10:41

    Eu fiquei até com medo porque eu como quase tudo SEM sal! A manteiga é sem sal, os ovos são feitos sem sal, meu peixe também é feito sem sal.


    Eu acho bem gostoso sem. Considerando que além desses alimentos, o que como diariamente são legumes, castanhas, morango, abacate, queijo, creme de leite e peito de peru, devo me forçar a adicionar sal na comida?

    ResponderExcluir
  67. Bem, eu usaria um pouquinho... e já que é pra saúde, lá vai a dica cara do dia, depois dos chocolates Lindt: sal Rosa do Himalaia - muito mais do que apenas cloreto de sódio - um verdadeiro poli mineral natural.
    Em 14/07/2013 12:00, "Disqus" escreveu:

    ResponderExcluir
  68. Teresa Cavalcanti14 de julho de 2013 15:27

    Vou procurar! To com viagem marcada para os EUA em outubro, imagino que lá seja fácil encontrar?

    Acho que vou trazer uma mala só de comida =P Sal marinho também?

    ResponderExcluir
  69. Se mora em SP na zona cerealista tem Teresa!

    ResponderExcluir
  70. Esse do Himalaia é que é o "quente" no mundo páleo... quando fui aos EUA recentemente, trouxe 10 barras de Lindt e mais umas de outras marcas. O sal, comprei aqui mesmo, e embora tenha pago 30 reais (!), já faz uns meses e ainda não acabou (vem dentro de um moedor, parece um moedor de pimenta). Em 14/07/2013 17:28, "Disqus" escreveu:

    ResponderExcluir
  71. O mèdico pensou: esta vai parar de me dar lucro... remèdio nela!!

    ResponderExcluir
  72. Dr. Souto, aqui em SP 30,00 é o preço do quilo!

    ResponderExcluir
  73. Mais provável é o seguinte: "o médico NÃO pensou, e seguiu as diretrizes da sociedade brasileira de sua especialidade, que por sua vez são cópia da sociedade americana da especialidade, que por sua vez foram escritas por médicos que têm graves conflitos de interesse com a indústria farmacêutica que, essa sim, só pensa em seus lucros"
    Em 14/07/2013 20:05, "Disqus" escreveu:

    ResponderExcluir
  74. http://www.youtube.com/watch?v=tVQu5CZeE8M



    esse seu conterrâneo sabe das coisas, Dr.

    ResponderExcluir
  75. Paguei 30 por 400g!
    Em 14/07/2013 21:51, "Disqus" escreveu:

    ResponderExcluir
  76. Teresa Cavalcanti15 de julho de 2013 10:33

    Moro em Brasília! Vou procurar por aqui.

    ResponderExcluir
  77. Na feira do Guará deve ter.

    ResponderExcluir
  78. Teresa Cavalcanti17 de julho de 2013 07:46

    Vou dar um pulo lá esses dias e checar, obrigada (=

    ResponderExcluir
  79. No site da Mil Grãos de São Paulo ( www.milgraos.com.br) vende esse sal rosa do Hymalaia. Tem ele já moído e o em grãos para quem tem o moedor de sal. 500 g custa R$ 23,00 e entrega pra todo o Brasil. Comprei tem quase dois meses e aina não acabou. É maravilhosoooo não uso mais o outro sal !!! O preço é salgadinho hehehe mas vale a pena, afinal o quanto é " caro" cuidar da saúde ?

    ResponderExcluir
  80. Oi Patricia, creme de leite nestlé com nescafé, pode? Aonde trabalho só tem nescafé.... Obrigada Tatiana,

    ResponderExcluir
  81. DOUTOR,hoje fui renovar minha CNH e no exame médico tomei um susto! Minha pressão 14x09 .minha pressão toda vida foi 12x08 e hoje nem acreditei.
    O medico disse pra mim só cuidar pra nao engordar,e eliminar as 'massas e gordura ' da minha alimentação :S
    Fiquei na minha não comentei nada que nao estou comendo massas e tbm nao falei das gorduras.
    Enfim,estou há 38 fazendo paleo e até hoje só tendo ganhado em tudo,desde saude ,estetica tudo,mais hoje confesso que tomei um banho de agua fria.
    Não sei o porq minha pressao subiu,mais so pode ser por conta da dieta aff
    Gostaria de saber o porque disto ter ocorrido e se é normal ,estou preocupada pois mes que vem tenho um teste para fazer e se chegar la e a pressao tiver assim eu reprovo :*(....me de uma luz doutorrrr;;;

    obrigada

    ResponderExcluir
  82. LCHF baixa a presão. Sua pressão subiu porque você estava nervosa na hora do exame, ou porque o aparelho não estava calibrado, ou porque era terça-feira, ou porque o dia estava pra chuva, ou porque hoje vence o aluguel... POR QUE vc acha que tudo de ruim é por causa da coisa mais saudável que vc fez na vida? Enquanto vc não superar o medo de que está fazendo algo errado, será difícil para você. Releia o blog todo até se convencer de que comer poucos carboidratos e mais gordura é saudável - é importante que vc entenda isso e incorpore estes conceitos. Se não, vc terá 9 de 10 coisas dando certo, e ficará encanada com uma coisa que não está certa, como se não houvesse outro motivo possível.

    Em 22/08/13, Disqus escreveu:

    ResponderExcluir
  83. Doutor posso dizer com segurança,eu não estava nervosa,já fiz varios exames em que estava de fato nervosa e minha pressao nao alterou, prefiro acreditaar que o aparelho estava bichado.Só pensei na dieta ser a causadora da pressao alta porq foi a unica coisa que mudei nos ultimos meses, rsr....essa semana vou verificar a pressao todos os dias no mesmo horario,caso continue alta tenho que procurar ajuda medica né ? só fiquei preocupada apos saber que a pressao estava alta pois foi uma surpresa,pois sempre tive pressao normal,e como disse irei fazer um teste fisico pra concurso,nao posso chegar la com essa pressao assim,por isso fiquei preocupada..
    Doutor,um colega na comunidade comentou que leu em alguma parte do blog que a pressao pode alteraar nos tres primeiros meses e isso é normal e que depois ela se estabiliza,isso de fato procede?

    ResponderExcluir
  84. reforçando,eu entendi o que o senhor quiz dizer doutor,e eu estou de fato amando LCHF ..eu estou sempre llendo e lendo,mais realmente foi uma surpresa,mais entendo tbm que essa pressao estar alta pode ter sido por outro fator sim...

    ResponderExcluir
  85. Minha experiência é que ela baixa já na primeira semana em alguns casos. Todas as variáveis biológicas oscilam. Sua pressão não é a mesma o dia inteiro todos os dias.


    Em 22 de agosto de 2013 17:48, Disqus escreveu:

    ResponderExcluir
  86. Obrigada DOUTOR,vou verificar as proximas semanas e se continuar assim vou procurar o que ta ocorrendo...obrrrigada pela atenção de semre .

    ResponderExcluir
  87. Comprei aqui!
    http://www.dietacrua.com.br/
    Aproveitei quando comprei o cacau 100% cru!!

    ResponderExcluir
  88. Vou a caça desse sal, Dr.


    Aumentei um pouquinho a adição de sal nas refeições, pois minha pressão arterial está mt baixa... medi por 15 dias e está entre 9/5 ou 8/4..


    Ainda bem que esses itens são baratos por aqui em Montréal..


    P.s... existem marcas desconhecidas de chocolate, cacau 80% por 1 dólar.. e Lindt por 2 dólares..


    Todo mundo dizendo que voltarei mega obesa pro Brasil.... enquanto que já emagreci 7 kilos em 10 semanas..


    Obrigada Doutor!

    ResponderExcluir
  89. ;-)
    Vc não usa nenhum remédio pra pressão, usa?


    Em 6 de novembro de 2013 14:46, Disqus escreveu:

    ResponderExcluir
  90. Não uso nenhum medicamento para pressão.


    Nunca tive problemas com ela.



    Quando seguia a "pirâmide" ela era 11/7 ou 12/8....sempre.


    Mas naquela época eu já consumia pouquíssimo sal.


    Eu comecei a medi-la pois ando meio zonza...leve tontura..ae vi que a danada está baixa.

    ResponderExcluir
  91. O jeito é comer mais sal. Mas, diga-se de passagem, do ponto de vista cardiovascular, ter pressão mais baixa é bom.

    Dr. Jose Carlos Souto, M.D.
    Sent from Android phone
    Em 07/11/2013 02:35, "Disqus" escreveu:

    ResponderExcluir
  92. Oi Doctor,


    Aumentei um pouco o sal e já estou muito bem. Sem sintomas de tontura. Pressão arterial na casa dos 10/6 ou 11/7. Vou mantê-la assim.


    Obrigada

    ResponderExcluir
  93. Oi Teresa,


    Vc conseguiu fazer suas "compras paleo" nos EUA?


    Tem recomendações de lojas?

    ResponderExcluir
  94. Bingo!


    2013/11/13 Disqus

    ResponderExcluir
  95. Sim! Mas eu tive sorte porque tinha um Whole Foods perto (indo de carro) de onde eu estava, em Orlando.


    Se não tiver Whole Foods perto, acho que dá para comprar dele pela internet. Fora que dá para comprar muita coisa pela Amazon e pedir para entregar em casa (;


    Eu fui tão muito sortuda porque meu hotel tinha cozinha no quarto, daí eu comprei peixe, ovos, abacate, morango, framboesa, verduras, cogumelos, manteiga, shoyo e óleo de coco! Daí eu comia ovos fritos no óleo de coco de manhã e jantava peixe frito no óleo de coco e cogumelos feitos com shoyo e manteiga. E levava frutas para comer de lanche (:

    ResponderExcluir
  96. Podem me tirar uma dúvida sobre o adoçante sucralose (Línea), ele pode nessa dieta paleo?
    Eu já mudei muito toda a minha alimentação, ainda não consegui tirar o adoçante que é o que gostaria mesmo de fazer, mas enquanto não consigo o que vocês podem me dizer sobre esse especificamente?

    ResponderExcluir
  97. http://lowcarb-paleo.blogspot.com.br/2013/02/adocantes-e-rotulos.html

    Dr. Jose Carlos Souto, M.D.
    Sent from Android phone
    Em 28/11/2013 17:54, "Disqus" escreveu:

    ResponderExcluir
  98. Oi Dr.! Acabei de começar minha primeira semana de low carb, inclusive muito impressionada. Ontem, no meu primeiro dia, almocei só às 16:30 e só fui sentir fome hoje, às 11:30.


    Mas eu estou com um problema, hoje eu me senti fraca e com a pressão baixa duas vezes, ao acordar e no final da tarde. Isso é comum? É só eu ingerir mais sal? Espero que me ajude. Obrigada!

    ResponderExcluir
  99. Olá Ana Morina,


    Parabéns! Aumente a ingestão de sal e água.

    ResponderExcluir
  100. Fiz o mesmo com um dotô aqui em Floripa uns meses atrás, 5 minutos depois de contar da minha dieta e das provas de endurance que eu faço (triathlon e corridas de longa distância) ele desistiu e mudou de assunto. Resolveu falar de futebol rs. Quando temos conhecimento para argumentar, mesmo sem formação, o diploma é colocado em cheque...acho que é isso! Saúde a todos.

    ResponderExcluir
  101. Não concordo com esse artigo. Tenho predisposição a cálculo renal, e colocava sal na salada e comia bacon sem me preocupar com o sódio. O resultado foram seis dias de agonia e sofrimento, muita cólica renal, com certeza causada pelo excesso de sódio. Vc, Souto, como urologista, deveria fazer esses textos se lembrando das pessoas como eu, que têm predisposição ao cálculo renal.

    ResponderExcluir
  102. Dr Souto,nos indique um site para que possamos comprar o sal rosa do Himalaia

    Grato

    ResponderExcluir
  103. Procure no google. Eu compro no supermercado (cada muitos meses, pois dura).

    2014-03-31 11:11 GMT-03:00 Disqus :

    ResponderExcluir
  104. Um adendo: no Japão as pessoas realmente têm mais pressão alta e problemas vasculares porque lá se tem uma das vidas urbanas MAIS extressantes do mundo - onde trabalhadores trabalham de domingo a domingo com UMA folga por mês (a policia de Tóquio tem uma folga por ANO), realizando hora-extra de mais de 1.000 horas mensais sem falar na enorme pressão que é o sistema trabalhista japones que exige 100% de perfeição - já ouviram falar no Karoshi?


    Acho que o coitado do Shoyo não tem culpa, né?

    ResponderExcluir
  105. O problema no Japão é a FALTA gordura animal.

    http://m.eurheartj.oxfordjournals.org/content/34/16/1225.abstract

    Dietary intake of saturated fatty acids and incident stroke and coronary heart disease in Japanese communities: the JPHC Study

    Abstract

    Aims Although dietary saturated fatty acids (SFA) are considered atherogenic, associations between SFAs intake and stroke and coronary heart disease are still debated. We sought to test the hypothesis that SFA intake is associated inversely with risk of stroke and its subtypes and positively with coronary heart disease among Japanese, whose average SFA intake is lower than that of Westerners.

    Methods and results The Japan Public Health Center-based prospective Study involves two subcohorts: Cohort I, aged 45-64 in 1995 and followed-up through 2009, and Cohort II, aged 45-74 in 1998 and followed-up through 2007. A total of 38 084 men and 43 847 women were included in this report. Hazards ratios for incident total stroke, ischaemic stroke, intraparhenchymal haemorrhage, subarachnoid haemorrhage, myocardial infarction, and sudden cardiac death across quintiles of dietary SFAs were examined. We found inverse associations between SFA intake and total stroke [multivariable hazard ratio (95% confidence interval) for the highest vs. lowest quintiles = 0.77 (0.65-0.93), trendP = 0.002], intraparenchymal haemorrhage [0.61 (0.43-0.86), P for trend = 0.005], and ischaemic stroke [0.84 (0.67-1.06), trend P = 0.08], primarily for deep intraparenchymal haemorrhage [0.67 (0.45-0.99), P for trend = 0.04] and lacunar infarction [0.75 (0.53, 1.07), trend P = 0.02]. We also observed a positive association between SFAs intake and myocardial infarction [1.39 (0.93-2.08), trendP = 0.046] primarily among men. No associations were observed between SFAs intake and incidence of subarachnoid haemorrhage or sudden cardiac death.

    Conclusions In this Japanese population, SFAs intake was inversely associated with deep intraparenchymal haemorrhage and lacunar infarction and positively associated with myocardial infarction.

    Key wordsEpidemiology Nutrition Diet Prospective study PopulationPublished on behalf of the European Society of Cardiology. All rights reserved. (c) The Author 2013. For permissions please email:journals.permissions@oup.com
    Related articles

    Editorial:Yasuhiko Sakata and Hiroaki ShimokawaSaturated fatty acid intake and cardiovascular risk Eur Heart J (2013) 34(16): 1178-1180 first published onlineFebruary 20, 2013 doi:10.1093/eurheartj/eht057

    Dr. Jose Carlos Souto, M.D.
    Sent from Android phone
    Em 01/04/2014 20:03, "Disqus" escreveu:

    ResponderExcluir
  106. Páleo, exercício, emagrecer e, se necessário, tomar remédios. Faça o teste, meça a pressão com e sem sal.

    Dr. Jose Carlos Souto, M.D.
    Sent from Android phone
    Em 14/05/2014 21:56, "Disqus" escreveu:

    ResponderExcluir
  107. Hilário! hahaha

    ResponderExcluir
  108. Acho que ele percebeu sim, mas está acomodado como muitos! Depois, essa estória de dieta é com nutrólogos e nutricionistas!! Ele acredita mesmo é nos remédios! Rsrs

    ResponderExcluir
  109. Só quem lê este blog consegue perceber o sentido desta letra e música, muito bem escolhida Luís. Bem haja para todos
    Isabel Cruz

    ResponderExcluir
  110. Dr Souto , comecei a paleo fazem 6 meses , depois de 3 meses fiz os exames e tudo melhorou , e na época estava tomando medicamento para PA , mas baixou e a medica suspendeu.Mas agora voltou a aumentar, sou diabética e tenho hipotiroidismo , tenho passado por stress esse mês ,mas tb confesso que tenho dificuldade em fazer atividades físicas.... o que pode ter acontecido da pressão ter voltado a subir? Hoje estava 14/7, desde o inicio da paleo, em fevereiro não consumi mas nada com trigo , só uso mel quando me dá hipoglicemia , n consigo entender!!!Hj fiz os exames de sangue , estou curiosa p ver os resultados!!! desde de ja obrigada!!!

    ResponderExcluir
  111. O fato de você fazer tudo certo não obriga seu corpo a deixar ser hipertenso.

    Sent from mobile phone
    Em 21/08/2014 19:35, "Disqus" escreveu:

    ResponderExcluir
  112. Entao a orientação é voltar a fazer o uso da medicação?? Queria entender porque ela baixou no inicio da dieta e agora voltou a subir!!
    A proposito meu HDL foi de 42 p 69 !! muito feliz por isso!!!obrigada!!!

    ResponderExcluir
  113. Teria que discutir com seu médico - qual o NNT para hipertensão leve? O objetivo deve ser prevenir eventos (derrame, infarto, morte), e não apenas deixar a pressão com número bonitos.


    Em 22 de agosto de 2014 13:55, Disqus escreveu:

    ResponderExcluir
  114. Adriana, os dados são esses, imprime o artigo ( http://www.thennt.com/nnt/anti-hypertensives-for-cardiovascular-prevention-in-mild-hypertension/), leva pra ele e discute.
    Você ainda é diabética? Tem certeza? Quanto tempo de dieta? Pois DM tipo 2 enta em remissão na maioria das vezes, se o pâncreas ainda funcionar. o hipotireoidismo não tem nada a ver com isso e está resolvido com a reposição.


    2014-08-22 16:34 GMT-03:00 Disqus :

    ResponderExcluir
  115. Estou fazendo a dieta faz 6 meses , infelizmente diabetes tipo 1 , fiz os exames e estão todos muito bons, só falta a hemoglobina glicosilada, que ao meu ver é a mais importante e mais difícil p baixar , em 10 anos de diabetes o máximo que consegui foi baixa-la p 7 . Estou ansiosa p ver o resultado desse exame, mas sei que ainda n estou fazendo tudo que posso , falta a atividade física.Vou fazer isso então , imprimir e levar p o medico , e n vou tomar por enquanto , acho melhor...muitíssimo obrigada!!! Vc merece todos os créditos , esta mudando a minha vida e de outros p melhor!!!

    ResponderExcluir
  116. Ah, desculpa, não sabia que era 1.
    Compre e leia: http://www.amazon.com/Dr-Bernsteins-Diabetes-Solution-Achieving/dp/0316182699

    Em 22 de agosto de 2014 17:08, Disqus escreveu:

    ResponderExcluir
  117. dr Souto , vc já tinha me enviado esse livro , vou dar um jeito de traduzir , n tenho ingles, mas é uma otima oportunidade p aprender...rs

    Minha hemoglobina glicosilada está 7,2 , peguei o resultado semana passada, precisa baixar , a luta continua!!! abraços!!!

    ResponderExcluir
  118. Vai baixar para menos de 6 depois de ler o livro ;-)


    2014-08-27 15:38 GMT-03:00 Disqus :

    ResponderExcluir
  119. Amém Dr Souto!!! abraços!!

    ResponderExcluir